quinta-feira, novembro 02, 2006



((((Uma visão sobre a manifestação em frente ao consulado do México [RJ])))

Cerca de 80 pessoas se manifestaram na quarta (1/11), em frente ao Consulado do México, no Rio de Janeiro. Era uma militância heterogênea, unida para solidarizar com a luta da APPO (Assembléia Popular dos Povos de Oaxaca), no México, e contra as violências praticadas pelo Estado mexicano e seus grupos de apoio, que já mataram, feriram e prenderam vários manifestantes. [Aqui uma lista preliminar: http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/11/364036.shtml].

De protesto pacífico, o ato no Rio tomou contornos tensos quando um policial militar agrediu manifestantes com um cassetete e disparou rajadas de gás de pimenta, de modo irracional, sem que ninguém houvesse provocado. A chegada de mais um efetivo da PM não esmoreceu o ânimo d@s presentes, que permaneceram protestando até conseguir entregar uma carta de repúdio ao governo mexicano.

A convocação do ato foi em caráter de urgência, possível em grande medida pela troca de informações em listas de e-mail e pela home page do Centro de Mídia Independente, que vem constantemente dando informações sobre a cidade de Oaxaca. No dia 27/10 um jornalista-voluntário do Indimedya, Brad Will, fora morto por paramilitares quando filmava detrás de uma barricada. Esse também foi um dos fatores que desencadearam manifestações em vários cantos do planeta e que chegaram também ao Brasil. Todavia, o que move o apoio mútuo global é claramente a causa da APPO e a luta autônoma dos povos oprimidos, pela renúncia do governador Ruiz e contra a investida das forças federais.

@s militantes começaram a chegar perto das 11h. Um carro de som mantinha um microfone aberto para a leitura de manifestos, declarações e testemunhos sobre a situação em Oaxaca. Panelas, apitos e gritos procuravam chamar a atenção do cônsul Juan Andrés Ordoñez Gómez para que ele descesse e viesse receber uma carta d@s manifestantes, além de prestar esclarecimentos sobre os atos arbitrários do governo que representa. Pneus foram queimados, faixas estendidas, pichações realizadas e gritos entoados pela multidão: "Desce,desce, desce..." ou "abajo, abajo, abajo...", pedindo a presença do diplomata.

Alguns/mas transeuntes paravam para prestar apoio, ler o que diziam as faixas e, sobretudo, saber o que era aquilo. Muit@s nada sabiam do que se tratava, pois a mídia corporativa vem ignorando Oaxaca há algum tempo. Quando sai alguma coisa, impera o discurso-padrão: os manifestantes taxados de "radicais" e a ação do governo tida como "dentro da lei", "em consonância com a Carta Magna".

Como resposta aos apelos, o consulado mandou seguranças, que vinham falar com os ativistas, sempre na ânsia de encontrar "um líder". No entanto, tiveram de negociar com vários que os cercaram (pacificamente) para ouvir e também falar. O cônsul não cedeu, pedindo a subida apenas dos "líderes". Os grupos manifestantes puseram a proposta em discussão, numa rápida assembléia que se formou, decidindo por continuar a pressão pacífica para que o cônsul recebesse a carta e conversasse com os presentes.

Nada feito. Escondidos num andar de cortinas fechadas, os representantes do Estado mexicano lançaram mão da mesma ferramenta que seus superiores vêm utilizando em Oaxaca: clamar ao seu direito à violência chamando a polícia. O PM de nome Galvão, que parece ter surgido "do nada", resolveu encarnar esse "direito à violência" sozinho, zunindo seu cassetete e jogando gás de pimenta no rosto d@s ativistas.

##A lei da ação e da reação##

A atitude do policial despertou uma indignação justificável entre @s manifestantes (ação >> reação). A maioria vaiou, xingou e alguns/as partiram para cima do "herói da lei". Outr@s danificaram o portão do consulado. O policial correu para dentro do prédio, ficando literalmente enjaulado, vendo a multidão bater no portão e bombardeá-lo com as únicas armas que tinham: as palavras (ele, ao contrário, portava um fuzil e soltava um rizinho irônico).

Os gritos anteriores,dirigidos ao governo mexicano e a suas forças de repressão, acabaram se ajustando bem a nossa realidade: palavras como "assassinos" e "covardes" caem como luva para os policiais do Brasil (se há exceções, nem arranham "a regra"...). O cordão de solidariedade que liga povos de toda a América em suas lutas sociais, da APPO ao MST, dos piqueteros argentinos
aos indígenas da Bolívia, do EZLN aos sem-teto brasileiros, sofre a mesma agressão que une as elites do continente para a manutenção da lógica neoliberal. Nesse sentido, a repressão da polícia local se ermana com a das tropas federais que agridem Oaxaca. O discurso é o mesmo: "preservação da ordem e da segurança". Palavras vagas que mal escondem o verdadeiro pavor dos tecnocratas da ordem vigente: a consciência autônoma se espraiando pela maioria da população e a exigência por democracia direta ganhando as ruas.

A irracionalidade daquele policial demonstra o quanto a PM carioca (e de todo o país) está preparada para lidar com manifestações pacíficas e legítimas. Da mesma forma, evidencia como a lógica do poder é capilarmente repassada aos seus tentáculos mais cotidianos (micro-poderes...). Seguindo a receita do Estado, a instituição PM e seus sujeitos/agentes criminalizam quaisquer tipos de movimentos sociais e tratam tudo numa linguagem que dominam bem: a repressão. Naquela ensolarada tarde de novembro, as "ameaças à ordem" eram representadas por jovens, estudantes (alguns/as até do ensino fundamental, que se juntaram ao ato), senhor@s e até mesmo transeuntes (entre el@s algumas crianças) que poderiam ter se machucado mais seriamente -- e que, antes, passavam normalmente enquanto a manifestação se desenrolava.

Dos minutos de fúria indignada dos manifestantes até a chegada do reforço de PM's, a situação caiu num impasse e o objetivo do ato não foi alcançado -- fazer com que o cônsul descesse. Já que a "autoridade" consular preferiu chamar a polícia, não havia mais espaço para dialogar. O carro de som foi apreendido por uma suposta "irregularidade na documentação".

Um dos policiais gritava para que as faixas ficassem atrás de seu orgulhoso bibelô: a viatura. Como sempre, estavam à cata dos "líderes" para conversar. Ficavam atônitos quando se deparavam com uma lógica diferente: a das decisões descentralizadas, horizontais e participativas. Diziam: "Como assim?! Tem de ter algum líder!".

O PM Galvão resolveu continuar um pouco mais de seu show particular, agora respaldado pelos colegas de farda. Partiu para cima de um dos manifestantes com uma máscara e ainda atingiu uma manifestante com golpes de cassetete que deixaram marcas em seus braços. Um grupo se juntou rapidamente a seu redor, impedindo-o de continuar a covardia. Outros PM's "mais calmos" contornaram a situação e tudo se estabilizou em seguida.

##Promessas que não devem calar os protestos##

A chegada da polícia não fez @s ativistas arredarem pé: o cônsul não poderia ignorar aquelas vozes. Corriam notícias de que os policiais destruíram uma das câmeras que filmou a agressão inicial de Galvão. Não surpreende, pois a eles interessa a versão que lhes melhor convém e, certamente, os manifestantes passarão como "vândalos" a destruir parte da sacro-santa
propriedade privada, ali representada pelo prédio 242 da Praia de Botafogo. O oficial Mendes, que se encarregou de negociar, dizia: "Eu cheguei aqui agora, não sei o que aconteceu antes. Vamos apurar". Será mesmo? Será mesmo que o PM agressivo receberá alguma advertência, alguma punição?

Por volta das 14h o oficial Mendes trouxe a proposta do cônsul: no máximo quatro representantes da manifestação subiriam para entregar a carta e conversar. Uma nova assembléia foi convocada, ali mesmo na calçada. Diante da situação, ficou claro que o cônsul não desceria mais. Portanto, quatro representantes foram escolhid@s democraticamente, entre el@s a manifestante que fora agredida pelo policial e trazia as marcas do cassetete nos braços. Perguntas ao cônsul foram esboçadas e câmeras levadas para registrar o encontro. Uma das metas era obter garantias de que a carta seria repassada ao Estado mexicano.

Os que ficaram na calçada esperavam o retorno do grupo. Enquanto isso, policiais à paisana (os famosos P2) tiravam fotos e filmavam manifestantes, alimentando o arquivo de informações para lidar com esses "perigosos elementos" no futuro. Evidenciava-se que também se travava uma batalha por imagens: no caso deles, fazendo as próprias e impedindo que registrassem
seus atos; no caso d@s ativistas, registrando provas de agressões e arbitrariedades.

Por volta das 15h30 descem @s quatro. Como resposta, trazem uma carta-padrão que os consulados/embaixadas do México vêm entregando aos que protestam contra a situação em Oaxaca. A mesma retórica: o governo mexicano está apenas "defendendo" a ordem e a segurança da população de Oaxaca contra um bando de "radicais"; as forças federais estão apenas zelando pelo que diz a Carta Magna. Em contrapartida, @s quatro que subiram trouxeram a assinatura do cônsul e a promessa de que a carta seria entregue ao governo.

Ainda restava o caso do carro, levado por PMs para o depósito em Manguinhos (buscariam alguma compen$ação?). Um dos militantes também foi levado, tentando provar que os documentos estavam regulares. Uma nova mobilização d@s (agora) pouc@s
que permaneciam no local: era preciso contactar um advogado que auxiliasse nessa questão, o que foi conseguido.

No final, fica claro que a entrega da carta não deve esgotar o assunto. Novas manifestações devem ser feitas enquanto a repressão continuar em Oaxaca. O recado "tod@s somos Oaxaca" deve permanecer ecoando enquanto companheir@s estiverem sendo vitimados. É o mínimo que podemos fazer... por enquanto.

Mais informações:

http://www.asambleapopulardeoaxaca.com/
http://www.midiaindependente.org/

Relato com um comentário que conta o "após-ato":

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/11/364130.shtml

Fotos do ato no Rio:

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/11/364132.shtml
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/11/364216.shtml

Fotos de outra luta mais próxima, por moradia:

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/11/364283.shtml

###

Marcadores:

8 Comments:

Anonymous Alexandre said...

Porra, João... Você postou isso no CMI? Bota lá. Socializa, cara. É o relato mais organizado que li até agora.

Abraço.

8:50 PM  
Anonymous jh said...

postei sim, véio.

confira lá...

abs

7:47 AM  
Anonymous Mr. Durden Poulain said...

O relato tá excelente... e o povo de Oaxaca continua lutando!!!

7:42 PM  
Anonymous jh said...

isso aí...

todo apoio a Oaxaca.

valeu!

2:53 AM  
Blogger oakleyses said...

longchamp outlet, christian louboutin, nike air max, cheap oakley sunglasses, nike air max, christian louboutin uk, chanel handbags, replica watches, louis vuitton, ugg boots, nike roshe, louis vuitton outlet, longchamp outlet, nike free run, ray ban sunglasses, prada outlet, louboutin pas cher, sac longchamp pas cher, uggs on sale, louis vuitton outlet, longchamp pas cher, jordan pas cher, ugg boots, nike free, michael kors pas cher, oakley sunglasses, gucci handbags, prada handbags, polo outlet, burberry pas cher, kate spade outlet, louis vuitton outlet, oakley sunglasses, christian louboutin outlet, polo ralph lauren, oakley sunglasses, ray ban sunglasses, replica watches, oakley sunglasses wholesale, jordan shoes, nike outlet, ray ban sunglasses, tiffany and co, polo ralph lauren outlet online, tory burch outlet, longchamp outlet, tiffany jewelry, christian louboutin shoes, air max

5:41 PM  
Blogger oakleyses said...

north face uk, coach purses, kate spade, true religion outlet, michael kors, michael kors outlet online, coach outlet store online, ralph lauren uk, burberry outlet, nike roshe run uk, hogan outlet, new balance, sac vanessa bruno, guess pas cher, true religion outlet, nike air force, oakley pas cher, ray ban pas cher, michael kors outlet, nike air max, michael kors outlet online, hollister pas cher, lululemon canada, michael kors outlet, nike air max uk, sac hermes, abercrombie and fitch uk, nike free uk, michael kors outlet, ray ban uk, uggs outlet, north face, mulberry uk, polo lacoste, uggs outlet, burberry handbags, coach outlet, michael kors outlet online, vans pas cher, hollister uk, timberland pas cher, true religion outlet, nike tn, michael kors outlet online, converse pas cher, true religion jeans, nike blazer pas cher, replica handbags, nike air max uk

5:46 PM  
Blogger oakleyses said...

valentino shoes, celine handbags, ghd hair, herve leger, beats by dre, new balance shoes, nike huaraches, north face outlet, soccer shoes, reebok outlet, hollister, north face outlet, instyler, nike air max, baseball bats, ralph lauren, converse outlet, lululemon, insanity workout, hermes belt, nike air max, babyliss, longchamp uk, gucci, ferragamo shoes, hollister, mont blanc pens, soccer jerseys, lancel, p90x workout, chi flat iron, timberland boots, nfl jerseys, hollister clothing, abercrombie and fitch, bottega veneta, wedding dresses, nike trainers uk, oakley, ray ban, iphone cases, mcm handbags, giuseppe zanotti outlet, louboutin, jimmy choo outlet, nike roshe run, asics running shoes, vans, vans outlet, mac cosmetics

5:50 PM  
Blogger oakleyses said...

louis vuitton, canada goose outlet, pandora jewelry, moncler, louis vuitton, karen millen uk, pandora jewelry, replica watches, marc jacobs, doudoune moncler, swarovski crystal, canada goose, canada goose, moncler uk, links of london, wedding dresses, ugg, canada goose uk, louis vuitton, canada goose, moncler, juicy couture outlet, moncler, ugg,ugg australia,ugg italia, louis vuitton, coach outlet, hollister, moncler, thomas sabo, canada goose outlet, canada goose outlet, pandora charms, louis vuitton, canada goose jackets, juicy couture outlet, toms shoes, pandora uk, moncler outlet, ugg uk, swarovski, montre pas cher, ugg pas cher, ugg,uggs,uggs canada, supra shoes, moncler outlet

5:55 PM  

Postar um comentário

<< Home